Artigos

Empreendedorismo que gera renda para donos de casa

Empreendedorismo que gera renda para donos de casa

47
visualizações

Avesso aos sistemas tradicionais de ensino, o publicitário Nelson Andreatta cresceu com a ideia de que precisava criar um ambiente para dar vazão ao seu potencial criativo. Inspirado pela mãe, Maria Luiza Fernandes, ele deu os primeiros passos rumo ao empreendedorismo ainda criança. Tinha 11 anos quando começou a organizar festas no condomínio de um amigo.
O menino cresceu, foi para a faculdade, formou-se em Publicidade e Propaganda, abriu uma agência e há três anos está à frente da Eats For You, startup que conecta donas de casa que gostam de cozinhar e os apaixonados por comida caseira. 
O que não mudou foi a visão de Andreatta sobre o potencial do empreendedorismo para transformar vidas. É a lição que aprendeu com a mãe empreendedora que o move e o inspira até hoje. Não à toa, a Eats For You foi idealizada para promover a inclusão produtiva e a geração de renda formal para pequenos produtores. “Queremos fomentar o pensamento empreendedor, impactando diretamente a condição de vida dessas famílias”, comenta o CEO da empresa que já comercializou mais de 130 mil refeições e captou mais de R$ 3 milhões em dois anos de operação. 
Em conversa com a Revista ACIM, ele conta a trajetória empreendedora, os desafios à frente da Eats For You e dá dicas para quem sonha com o negócio próprio:

Quando surgiu a ideia de abrir a Eats For You?

A Eats For You nasceu de uma necessidade particular. Há algum tempo não tinha prazer em almoçar, apenas me alimentava em meio à correria do meio do dia. Ia ao restaurante, me servia e pronto. Um dia, na hora do almoço, meu sócio perguntou: ‘onde vamos almoçar hoje?’ Na hora me veio aquele desânimo de ter que comer comidas feitas em escala. Eu queria uma comida feita no fogão de casa, com tempero caseiro, alho, cebola, comida da minha mãe. Desse insight, no final de 2016, percebemos o quão grande esse projeto poderia ser, pois além de melhorar a experiência e a alimentação, poderíamos gerar renda formal para milhares de pessoas que estavam e estão fora do mercado de trabalho. Pessoas que amam cozinhar poderiam começar a empreender sem grandes riscos, com baixo investimento e ótima margem de lucro, a partir de suas casas.

A Eats For You foi idealizada em Cuiabá, mas virou realidade em São Paulo. Os grandes centros oferecem mais oportunidades para quem quer inovar e empreender?

Não necessariamente. A decisão de lançar em São Paulo veio de uma parceria que fizemos ainda na fase de estruturação da ideia. Até então o foco era ficar em Cuiabá. Antes da pandemia eu diria que um grande centro teria mais possibilidades, principalmente de network. Agora tudo está ainda mais conectado do que antes. Se usar os canais corretos, souber se posicionar e usar bem os recursos, é possível empreender até de uma ilha deserta, obviamente desde que tenha internet.

Como funciona a Eats For You?

Basicamente a Eats for You é um aplicativo que conecta donas e donos de casa a pessoas que buscam refeições caseiras. Hoje atuamos nas principais regiões de São Paulo, Barueri e Mauá. Também estamos presentes no Paraná, em Curitiba e São José dos Pinhais, e em Minas Gerais, em Belo Horizonte. São mais de 40 mil pessoas conectadas, tanto na base de produção quanto consumidores. E ambos podem se cadastrar, desde que estejam nas regiões que atuamos.

Se usar os canais corretos, souber se posicionar e usar bem os recursos, é possível empreender até de uma ilha deserta, obviamente desde que tenha internet
- Nelson Andreatta

O serviço deve ser estendido a outras cidades em breve?

A pandemia fez com que todos os negócios revisitassem seus planos no curto, médio e logo prazo. Conosco não foi diferente. Tudo está sendo analisado com muita frieza, mas nossos planos de expansão estão estruturados e logo devem se iniciar.

Além de exigir essa revisão do planejamento, a pandemia impactou de outra forma o negócio?

Nosso modelo de negócio foi criado para atender quem trabalha fora de casa, e de um dia para o outro todas as pessoas foram trabalhar em casa. Tivemos que nos reinventar rapidamente para manter a engrenagem girando em um momento crítico e também entender como o negócio se adaptaria ao mundo pós-pandemia.

Em um ano e meio no mercado a Eats For You conseguiu captar seu primeiro R$ 1 milhão junto a investidores-anjo. Essa era a meta ou o resultado surpreendeu?

Já foram captados mais de R$ 3 milhões nestes dois anos de operação. Atrair a atenção de fundos, como Bossa Nova Investimentos e Banco BMG UpTech, GVAngels e FEA Angels, além de importantes investidores independentes com grande know-how, foi sim muito gratificante.

É fácil inovar no Brasil?

É um grande risco como em qualquer outro lugar do mundo. Entretanto, ao analisarmos o Brasil, um país com proporções continentais, multicultural, com regiões tão diversas e infelizmente uma desigualdade social absurda, é impossível para um empreendedor não se sentir desafiado. Até porque empreendedores de verdade procuram problemas para resolver com o máximo de eficácia e dessa forma construir grandes negócios. Assim mudamos nossas vidas e o mundo.

Por que escolheu o caminho do empreendedorismo?

Tive grande influência da minha mãe, uma empreendedora nata. Ela nos criou com uma pequena empresa, que se manteve no mercado por quase 40 anos como referência na nossa cidade até ela se aposentar. Por causa dessa decisão de empreender, ela mudou sua vida e, consequentemente, a nossa. Isso me fascina no empreendedorismo. Além disso, nunca me adequei ao sistema, principalmente a escola. O sistema tradicional de ensino tenta te colocar em uma caixa, me sentia como um peixe sendo avaliado pela minha capacidade de subir em árvores, como dizia Albert Einstein. Logo cedo essa frustração me mostrou que se quisesse dar vazão ao meu potencial, precisaria criar um ambiente com minhas próprias regras e foi aí que decidi empreender e criar meus próprios negócios.

O empreendedorismo tem sido a saída de muita gente para garantir renda durante a pandemia e deve ser a aposta de tantos outros. Quais as dicas para quem pensa em empreender?

Olhe para dentro de você, identifique o que te move e o que quer entregar para as pessoas. Depois analise o mercado que melhor absorve sua motivação, monte um plano de negócio e execute. Teste, erre rápido, ajuste e não desista.

Para quem pensa no segmento de startup, qual o caminho para ser bem-sucedido?

É a mesma lógica, porém o mercado deve ser grande, porque o que caracteriza uma startup é o potencial de escala do negócio. E para o empreendedor, queira muito, porque os desafios serão proporcionais ao tamanho do business. Nada mais é estático, o consumidor muda a cada dia, novas necessidades, novos canais de comunicação, novos canais de compra, nada mais será igual antigamente por dez anos ou mais.