Artigos

Franquias para investir

Franquias para investir

129
visualizações

A análise dos números de janeiro a junho de 2020, período que incluiu o isolamento social mais rígido, preocupou o setor de franquias, mas os resultados de julho trouxeram boas expectativas. No comparativo entre o primeiro semestre de 2019 e 2020, houve queda de 18,1% no faturamento, de R$ 84,5 bilhões para R$ 69,2 bilhões. Em julho de 2020, no entanto, a redução média de faturamento foi considerada baixa, de 7,2% em relação ao mesmo mês do ano anterior. 

Os dados são do estudo realizado pela Associação Brasileira de Franchising (ABF) em parceria com a AGP. A pesquisa mostrou que julho de 2020 foi o terceiro mês consecutivo e o mais significativo de recuperação do setor. A ABF aponta para essa tendência em 2021. 

Com as incertezas que vieram com a pandemia e o aumento do desemprego, os empreendedores que pretendem investir tendem a buscar negócios mais seguros, o que é próprio do modelo de franquias. Trata-se de usar a marca fornecida pelo franqueador para ‘replicar’ a empresa em outros locais. “As franquias possuem modelo definido, testado, aprovado e procedimentos padronizados. Modelo que já é sucesso. Investir em uma franquia faz todo sentido neste momento, pois as principais dores do negócio já foram curadas”, diz o presidente da Associação de Franqueadores e Empreendedores do Paraná (Afepar), Lisandro Corazza.

 Negócios dos ramos de alimentação, restaurantes e os voltados ao turismo foram os mais impactados. Mas Corazza ressalta que o mercado de franquias deve continuar em expansão como nos últimos anos, incluindo os segmentos mais atingidos. Só a Afepar, que conta com 18 associados, recebeu quatro novas marcas recentemente. O presidente da entidade atribui a expectativa à inovação nos negócios e em processos, ressaltando que os ramos de tecnologia e serviços devem ter destaque.

LISANDRO CORAZZA, PRESIDENTE DA AFEPAR: “AS FRANQUIAS POSSUEM MODELO DEFINIDO, TESTADO, APROVADO E PROCEDIMENTOS PADRONIZADOS”


Coffee to Go

O empreendedor Roni Silva abriu em Maringá, em setembro de 2020, uma unidade da Mais1 Café, franquia curitibana que oferece cafés especiais. A cafeteria fica na rua Neo Alves Martins, região central com grande movimento de pessoas e concentração de empresas, endereço escolhido em razão da proposta Coffee To Go: neste formato, em que agilidade e rapidez são características do negócio, o cliente faz o autoatendimento ou realiza o pedido virtualmente. Depois, é só retirar a bebida ou lanche no balcão. Não há espaço para consumir os produtos, mas quem quiser pode utilizar um parklet público que fica em frente. 

Atuando em outros setores do mercado, Silva conta que não tinha intenção de investir em um novo negócio até o ano passado, mas a partir da pandemia entendeu que novas possibilidades ganhariam espaço e aproveitou a oportunidade. “Como gosto de café, me interessei pela proposta. Analisei o mercado, estudamos a franquia, vi que o formato fazia sentido e fechamos negócio.”

A loja está instalada em um espaço de 20 metros quadrados e emprega três baristas. Enxuta e tecnológica, a operação segue as tendências de novos negócios. “Levamos em conta a situação que estamos atravessando e a preocupação que as pessoas têm em se sentir seguras para consumir, o que deve continuar forte após a pandemia. Além disso, conseguimos ofertar um produto com qualidade justamente por estarmos em um ambiente com custo mais baixo”, comenta o empresário. 

Segundo Silva, o desempenho nos primeiros meses de atividade vem sendo satisfatório, evoluindo dentro das expectativas. Ele explica que a previsão de recuperar o valor investido está entre 18 e 24 meses, mas tudo depende dos próximos meses. Com a imunização contra a Covid-19 e a expectativa de que mais pessoas retornem para a rotina de trabalho, essa avaliação será refeita.

Roni Silva abriu em setembro franquia da Mais1 Café, que adota o modelo de autoatendimento e pedido virtual


Cuidadoria

A recém-lançada Estar Bem Cuidadoria, com matriz em Maringá, está em fase de expansão com as primeiras negociações em andamento em Florianópolis/SC. A empresa concluiu o projeto da franqueadora em dezembro do ano passado, de olho em um mercado que cresce em razão do aumento da expectativa de vida da população. A estimativa da Organização das Nações Unidas (ONU) é de que, em meados do século, 30% da população em mais de 60 países, inclusive o Brasil, terão mais de 60 anos.

Formada em Nutrição com pós-graduação em Gerontologia, a diretora clínica da Estar Bem, Caroline Camotte, teve a ideia do negócio após se frustrar com os planos de investir em uma marca  presente no mercado. “De início, quis investir em uma franquia do segmento, mas liguei para franqueados da marca e ouvi reclamações. Então, eu e minha sócia decidimos montar uma empresa sozinhas e franquear”, conta. 

O negócio oferece o serviço de cuidadoria principalmente para idosos em domicílio. A carga horária é definida conforme as necessidades do paciente. O atendimento é realizado por uma equipe de cuidadores supervisionados por enfermeiros. “Os pacientes da Estar Bem são pessoas com alto grau de dependência. Os cuidados podem ser apenas por um período ou em tempo integral, dependendo do caso”, explica Caroline.

O valor da unidade comercial, já contando capital de giro, fica em torno de R$ 75 mil. Já a opção da operação em home office custa a partir de R$ 38 mil. O plano de expansão mira os estados do Sul, mas também há possibilidade de negócios fora da região. Os requisitos para aquisição de uma unidade são porte da cidade, que precisa ser igual ou maior que Maringá, e a competência do profissional que vai tocar a gestão, que deve ser da área da saúde ou administrador. 

A Estar Bem funciona no modelo de royalties regressivos, o que Caroline destaca como um dos diferenciais da marca. “Quanto mais a unidade franqueada faturar, menos vai pagar para a franqueadora em termos de percentual”, explica a empreendedora. Ela acrescenta que a previsão de retorno sobre o investimento é de 12 a 18 meses. 

O franqueado da Estar Bem contará com treinamento in loco e em gestão, entre outros. A franqueadora também vai oferecer encontros virtuais e debates com os cuidadores contratados das unidades, além de software personalizado para o negócio. 

Depois da frustração de procurar uma franquia voltada para cuidadores de idosos, Caroline Camotte resolveu investir na própria marca, a Estar Bem Cuidadoria, e procura parceiros na região Sul